14 de dez de 2010

O Sistema Solar

    Há cerca de 4,5 bilhões de anos atrás, no centro da chamada nebulosa solar, se concentrava o maior número de massa, criando em si um disco rotativo devido ao colapso gravitacional da própria nebulosa solar. A compactação gravitacional foi do gás hidrogênio, que permaneceu até á fusão nuclear com o hélio, com a liberação contínua de luz e calor. E assim em diante.
    Essa pequena introdução é pra deixar claro pelo menos um pouco sobre o básico do início do sistema solar, que como todos sabem, é como se fosse a “casa” do nosso planeta, o planeta terra.
    Podemos limitar o sistema solar num raio que se estende até ao extremo da Nuvem de Oort. Isso porque os campos magnéticos produzidos pelo sol atingem até essa distância. Desse ponto em diante, não haverá campos magnéticos produzido por nenhum outro grande corpo do sistema solar. Tudo que estiver fora desse limite será um extra-solar ( que está fora do sistema solar).

O sistema solar é composto oficialmente por 8 planetas.
Vamos ver, por parte, um pouquinho dos principais corpos do sistema solar. Começando, claro, pela nossa  estrela, o sol:

O sol:
                                 

    O sol é a estrela do Sistema solar. Ele compões cerca de 98% da massa de todo o sistema!
Sua superfície, a camada visível do sol, é fervente e borbulhante da qual são emitidos para o espaço grandes jatos de gases incandescentes, é chamada de fotosfera, sua temperatura é de 6.000°C. Sua composição química é de 73,46% hidrogênio, 24,85% hélio, 0,77% hélio. O restante se divide em outros elementos como o carbono, ferro, enxofre e etc...
    Já em seu interno, onde se localiza o responsável por toda a energia solar que flui para a fotosfera, a temperatura é de 15.000.000°C! E sua composição química é de 92,1% de hidrogênio, 7,8% de hélio, e apenas 0,068% de oxigênio. O resto está dividido em outros elementos como nitrogênio, carbono e outros.
    Sua massa é de 1,9891x1031, e sua extensão é de 6,0877×1018 km. 1.300.000 planetas como a nossa terra caberiam dentro do sol, e ainda sobraria espaço! Embora o sol seja enorme, muitas outras estrelas são muitas maiores.
    Como muitos acham o sol não é uma bola de fogo e nem está queimando. Ele é uma bola de gás.
    Observações constantes a estrela suspeitaria estranhas manchas, como uma “catapora”. Essas manchas são chamadas de Manchas Solares. Isso se deve á gigantescas tempestades na superfície solar. Uma vez que estão mais frias do que o resto Sol, parecem mais escuras do que o resto da superfície. As manchas variam ao longo do tempo, e, sempre que existam muitas manchas solares elas causam interferência com barulhos e crepitações, em nossas redes de rádios ultramarinas.


As manchas solares parecem se moverem.
Ela é mais fria do que a própria superfície.
  O sol também ultrapassa o complexo científico, se colocando á uns dos principais ícones de nossas vidas.  O sol fornece e distribui seus benefícios, como por exemplo, na fotossíntese das plantas, como a fantástica beleza ao nascer e o pôr do sol, como calendário (antigamente compromissos eram marcados de acordo com o posicionamento do sol, como por exemplo, a hora e o fim da caça e etc...). 







Mercúrio:

   
   Mercúrio, na Roma antiga, era o mensageiro dos deuses. Por isso o pequeno planeta rochoso mais próximo do sol recebeu esse nome; porque nós terráqueos podemos ver Mercúrio sempre um pouco antes do nascer do sol e depois do pôr do smos para observar, em questão de diae pra cá aleatoriamente, mas sempre anexo ao sol.
    Mercúrio é muito parecido com nosso satélite (lua), é deserto, rochoso e lotado de crateras. Enquanto uma parte do planeta é super quente, a outra é extremamente fria.
    A distância de Mercúrio para o sol é apenas de 57.910.000km, isso faz com que sua temperatura média seja de 126°C podendo chegar á 425°C. Um ano em Mercúrio equivale á 88 dias terrestres, porém, um dia em Mercúrio é o mesmo que 59 dias terrestres.
    Enquanto 70% da composição do planeta estão divididos em metais, os outros 30% se dividem em silicatos.
    A massa de Mercúrio é 3.302×1023
kg e sua área é de 7.5×107 km².
    Já se teve a idéia de haver um satélite em Mercúrio, em 1974, quando a nave Mariner captou uma emissão de raios ultravioletas que simplesmente não deveriam estar lá. Não era um defeito dos instrumentos da nave, porque no dia seguinte vieram as mesmas emissões de direção diferente. No final das contas deu que muito além do Sistema Solar estava poderosas fontes de raios UV.

Vulcano: Em 1859, os astrônomos Le Verrier e Lescarbault deram a idéia de um planeta ou uma nova cintura de asteróides entre a órbita de Mercúrio ao Sol. A estimativa da massa do planeta hipotético seria de  1/17 da massa de Mercúrio. Pequeno, mas talvez os outros asteróides contribuíssem para essa “perturbação gravitacional”. Nas décadas em diante o assunto foi debatido por muitos, e seguido em diante. Até que em 1916, Albert Einstein explicou o periélio de Mercúrio através da Teoria da Relatividade sem o uso de qualquer corpo hipotético. O que foi pensado era que Le Verrier e Lescarbault tivessem visto algum asteróide ou cometa fraco na região.


Vênus:


    Muitos vulcões em atividades, ventos mais fortes do que qualquer furacão que já tenha passado na terra, calor insuportável, atmosfera invadida de gases venenosos, nuvens formadas por gotículas de ácidos sulfúricos que derretem até metal que cobrem todo o planeta, desfiladeiros longos e profundos, superfície que armazena o calor do sol deixando às vezes mais quente da de que Mercúrio... Bom, falando desse jeito a impressão que se tem de Vênus é que o lugar é o Inferno, eu só concordo com isso porque às vezes Vênus é comparado como irmão gêmeo da terra.
    O nome Vênus vem da deusa romana do amor e da beleza, deve ser por causa da linda visão de Vênus que podemos ter nas noites, Vênus é o segundo ponto mais brilhante do céu perdendo apenas para a lua, podendo vê-lo até de dia.
    Vênus está á 108.208.930km do Sol, 1 ano em Vênus é a mesma coisa do que 255 dias aqui na terra, mas 1 dia em Vênus é a mesma coisa do que 243 dos nossos. Ou seja: 1 dia em Vênus demora mais do que 1 ano!
Também já se teve a idéia de uma lua em Vênus. Neith, em 1672. Ela teria 1/4 da massa do planeta. A idéia foi repassada durante anos por muitos astrônomos. Mas foi descartada em 1766, quando o diretor do observatório de Viena publicou um artigo dizendo que a suposta lua seria um reflexo em menor escala do próprio Vênus. Em 1884 a idéia volta, com M. Hozeau, que postulou um planeta chamado Eith que teria uma órbita de 283 dias, e que se aproximava de Vênus por 1080 dias. Nisso foi criado outra hipóteses que talvez fosse outro tipo de corpo; um asteróide ou uma estrela longe, mas nada foi resolvido e nunca mais a suposta Neith foi detectada.

Terra:


    O maior dos planetas rochosos. Um planeta diferente. Um planeta colorido. Um planeta cheio de vida. O único planeta conhecido capaz de abrigar vida, isso graças ao nosso posicionamento (zona habitável), pois se a terra se localizasse um pouco pra frente ou um pouco pra trás do que é, provavelmente a água se congelaria ou evaporaria, e sem água não há vida, não há evolução. Cerca de 71% da superfície terrestre é formada por água.
    A distância entre a terra e o sol é cerca de 149.597.870km (1UA). A terra tem uma área de 5,10072x108 km². E uma massa de 5,9742x1024kg. Para completar uma volta em torno de si mesma, a terra gasta 23:56 minutos, e não 24h como mostram os relógios (acumulando 4 minutos por dia, em um certo tempo arrecada 24h, e acontece o chamado ano bissexto, é quando fevereiro tem 29 dias). E para dar uma volta ao sol gasta 365 dias 6h e 9m.
    A composição atmosférica da terra é de: 78,8% nitrogênio, 20,95% de oxigênio, 0,93% de argônio, 0,038% de traços de dióxido de carbono, vapor de água e outros gases.  
    Vida: Como já falamos, a terra é o único planeta conhecido capaz de abrigar vida por que está na zona habitável, isso faz com que a temperatura seja cerca de 15ºC, isso facilita a água no estado líquido. Eu peguei na Wikipédia um trecho que resume direitinho o básico sobre a atmosfera terrestre, enfim, não vamos entrar em detalhes:
“A atmosfera terrestre é uma fina camada de gases insípidos, incolores e inodoros, presa à Terra pela força da gravidade. A atmosfera terrestre protege a vida na Terra absorvendo a radiação ultravioleta solar, aquecendo a superfície por meio da retenção de calor (efeito estufa), e reduzindo os extremos de temperatura entre o dia e a noite. Visto do espaço, o planeta Terra aparece como uma esfera de coloração azul brilhante. Esse efeito cromático é produzido pela dispersão da luz solar sobre a atmosfera, e que existe também em outros planetas do sistema solar dotados de atmosfera.”
                            
Lua:  
    
    A lua é o satélite natural da terra. Está á  384.405km da terra. Sua área é de 3,793x107 km, sua massa é de 7,349 x 1022  e sua extensão é de 2,1958×1010 km³. A lua também em si tem forças gravitacionais, mesmo sendo muito fraca. Um exemplo disso é a maré, os oceanos acompanham a movimento orbital da lua.


O homem na lua:
    20 de julho de 1969. Num lugar chamado "mar da tranquilidade", o homem deu seu primeiro passo no solo lunar. Neil Armstrong, com sua famosa frase: "Um pequeno passo para o homem, um salto gigante para humanidade. (clique aqui para ouvir)
    No local foi colocado uma placa com a seguinte informação: "Aqui os homens do planeta Terra pisaram pela primeira vez na lua. Julho de 1969. Viemos em paz, em nome de toda a humanidade.
    Os primeiros homens á pisarem na lua foram Neil Armstrong  e Edwin Aldrin.
Eldwin Aldrin e a bandeira do EUA. Dentre outras missões, foram 12 o total de astronautas que ja estiveram na lua.
    Muitos vibraram e acompanheiram pela TV o momento histórico. O EUA ganhava a corrida armamentista contra a US, na chamada guerra fria. Muitos conspiraram e desconfiaram do acontecimento, dizendo que tudo isso não passa de uma farsa, que é um filme inventado pelo EUA para ganhar a guerra.
  
 Marte:

    Marte é o 4° planeta do sistema solar, o último dos rochosos. À noite você pode vê-lo como uma luz brilhante e vermelha no céu. Por isso recebeu este nome, do deus romano da guerra.       
    Está a cerca de 227.936.640km do sol. Sua atmosfera é composta por vários gases e nuvens azuis e grossas. O céu de marte é laranja devido ao excesso de poeiras levantadas pelas horríveis tempestades e furacões do planeta vermelho. Sua massa é de 6,4185×1023 kg e sua área é de 144.798.500km². Sua temperatura varia, tenho em média 225°C. 1 ano em Marte equivale á 687 dias terrestres, e seu dia é quase igual ao nosso (24h39m). Isso faz com que Marte também tenha estações ao longo do ano, porém elas duram quase a metade do tempo das nossas.
    Em 1877, o astrônomo italiano Schiaparelli imaginou ter visto longas linhas retas no planeta, dando-as o nome de “canali”, que vem do italiano “canal”. Já que lá também há estações, um astrônomo americano chamado Percival Lowell deu a idéia de que os canais poderiam ter sido construídos por seres vivos para transportar as águas derretidas do pólo-norte marciano no verão. Até acharam que cresciam plantas no caminho estreito em alguns canais. Mas tempo depois, fotografias comprovaram que Lowell estava errado.


Os canais desenhado por Percival Lowell. Sua idéia foi descartada depois que novas fotografias
 testemunharam a inexistência.
    No solo marciano se encontra diversas características semelhantes ao fundo do mar. Isso dar à hipótese de que Marte um dia poderia ter sido um planeta oceânico, e até capaz de abrigar vida! J. Taylor Perror foi quem fez tal descoberta, explicou ele que as costas podem ter sido planas á dois milhões de anos. Perror também deu a idéia de haver armazenamento de água sólida no interior do planeta.
Formações rochosas miscroscópicas
indicam sinais antigo de água.
Concepção artística da possível
terraformação de Marte
.
  
A região de Hellas.     

  Há outro lugar em marte, que alimenta a hipótese dele já ter sido um planeta oceânico. O lugar chama Hellas, no sul do planeta. O estranho desse lugar é que ele é o único da região (num raio de milhões de quilômetros que não há crateras. Já que toda a superfície marciana foi bombardeada de meteoros. A idéia agora é de em Hellas já ter tido umidade e calor, que sustenta as condições de abrigar vida. Outra observação em Hellas é a mudança de cor do lugar ao longo das mudanças de estações, [é escuro na primavera, mas clareia no outono] daí vem à idéia de que na primavera o local fornecesse vegetais.
Uma das coisa mais famosa em Marte é Olympus Moon, o maior vilcão do sistema solar, que é três vezes maior e muito mais largo do que a maior montanha da Terra,; O monte Everest!


     E o que não podia faltar eram as faces de Marte, um ícone de todas as conspirações em relação ao assunto.
     As faces de Marte se localizam na região de Cydonia, recebem esse nome por causa de se assemelhar extraordinariamente com a face humana. O local de Cydonia também abriga diversos tipos de “pirâmides”, sendo uma delas quase perfeita. A idéia era de que num passado muito antigo, Cydonia seria uma cidade 
que hoje se encontra em ruínas. Enquanto muitos cientistas diziam serem criações naturais causadas por tempestades e etc..., muitos outros conspiraram e afirmavam em algum “escultor” inteligente por trás disso tudo.
As faces de Marte, em Cydonia. A semelhança com a face humana foi explicada como um efeito óptico causado pelas luzes e sombras. Recentes fotos de ângulos diferentes da região mostravam uma coisa diferente. Isso resultou em várias conspirações dizendo que as fotografias teriam sido alteradas. 
A bandeira:
A bandeira marciana foi aprovada pela sociedade Marciana e a Sociedade Planetária .
    O vermelho significa o estado atual de Marte, e o verde e azul são as  idéias de probabilidades de terra formação no planeta vermelho.





       Dentre muitas naves já missionadas á explorar marte, algumas falharam. A primeira a visitar o planeta vermelho foi a nave Viking, em 20 de julho de 1976, ás 11:56:06.

Fobos e Deimons:
Marte tem dois satélites naturais. São eles: Deimos (menor) e Fobos (maior)
Deimos é a menor lua do sistema solar. Tem um teórico passado de asteróide, que seria sido capturado pela gravidade marciana. Sua massa é de 1.8×1015kg e tem uma área de 15(×12.2×11)km.  Sua superfície é composta por carbono e gelo (tais como muitos asteróides).
Está cerca de 20.000km da superfície marciana. Se você estivesse em Marte, veria Deimos como se aqui na terra você visse Vênus. Igual a uma estrela.
Fobos também teria sido um asteróide. Sua massa é de 1,08×1016 kg. Sua distância entre Marte é tão pequena (6.000km) que dentro de alguns milhões de anos Fobos pode simplesmente cair em Marte, ou ser destruído pelas forças gravitacionais do planeta antes mesmo disso acontecer, transformando-se em um anel em volta do planeta.

Cinturão de Asteróides:  

     Cinturão de asteróides é um lugar formado por bilhões de asteróides, inclusive o planeta anão Ceres. O Cinturão de Asteróides fica entre a órbita de Marte á Júpiter (cerca de quase 500.000.000km de distância do Sol). Asteróides são pequenos corpos sem formas que não dependem de um corpo celeste a não ser o sol para se assegurarem em órbita, podendo às vezes, ser capturado por planetas como Júpiter. Esse mar de asteróides pode ter sido formado pelos fragmentos restantes de colisões entre planetas, ainda no início da formação do sistema solar, ou também pode ser apenas “restos” destes planetas.

Principais corpos:
Como são bilhões os números de asteróides do local, vamos ver apenas 3 deles. Os 3 principais (Hígia, Vesta e Palas):

Há também um planeta anão na cintura:
Concepção artística da possível aparência de Ceres.


Ceres é o planeta anão mais próximo do sol. Sua área é cerca de 1.800.000km² e sua massa é de 9,5×1020 kg. Mesmo não sendo tão longe da Terra, é um desafio ainda para os astrônomos estudar Ceres, que logo quando descoberto foi considerado um asteróide. Essa idéia  permaneceu por mais de 150 anos, porém hoje, Ceres é um planeta anão. Foi descoberto no ano novo de 1981, por Giuseppe Piazzi.












Júpiter


     Júpiter é o maior planeta do sistema solar. É o gigante da família do Sol. Diferente dos outros 4 rochosos já vistos, Júpiter é uma imensa bola líquida rodeada por nuvens gasosas, composto por Hidrogênio, Hélio, Metano e outros gases. Acredita-se em ter um núcleo sólido.                    
    Sua massa é de 1,8986×1027kg e sua extensão de 1,43128×1014 km³! Um dia em Júpiter equivale a apenas 10h terrestre. E um ano equivale a 11 anos terrestres, cerca de 4330 dias terrestre. Júpiter está a cerca de 778.412.010km do sol.
    Em um dos episódios da série “Cosmos”, Carl Sagan menciona que Júpiter poderia ser uma “estrela que falhou”, pois acredita-se que se fosse bem maior seria denso o suficiente para produzir luz e calor quanto uma estrela.
    O que se destaca em Júpiter é sua enorme mancha vermelha que é três vezes maior do que a terra, e é semelhante a um enorme furacão com centenas de anos.
    Júpiter tem uma força magnética extremamente forte. Forte o suficiente para abrigar 63 luas sendo algumas do tamanho de planetas!


Satélites de Galileu:
    Bom, vimos que em Júpiter há 63 satélites. Eles são divididos e classificados em: “Satélites regulares”; que são as luas mais pertos do planeta e que possuem uma forma e uma órbita mais estável. E os “Satélites irregulares“; que são luas com órbitas mais distantes e com a maioria com forma irregular. Vamos ver apenas 4 das luas de Júpiter. As 4 principais chamadas satélites de Galileu (recebem esse nome por terem sido descobertas por Galileu Galilei em 1610):



Io (fig.1) é uma lua infestada de gigantescos vulcões. É por isso que tem essa cor laranja/amarela/etc..; Por causa do enxofre liberado pelos vulcões. Io tem uma massa de 8,9319×1022kg e um volume de 2,53×1010km³. Está a cerca de 421.600km de Júpiter. Sua gravidade é tão baixa que suas altas fontes magnéticas “vazam” causando o chamado toro em volta de Júpiter.
Concepção artística de uma superfície
congelada em Europa.
Europa (fig.2) é um dos principais focos de estudos do sistema solar em relação á existência de vida. Tem a superfície riscada, porém coberta de gelo, a idéia é de que interiormente há vidas microscópicas como as do fundo de oceanos aqui na terra. Sua massa é de 4,80×1022kg e sua extensão de 1,593×1010 .Está a cerca de 670.000km de Júpiter.




Explicação mostra  o
suposto  oceano 
abaixo da superfície
 de europa.







Ganímedes (fig.3) é a maior lua do sistema solar, em tamanho é maior até do que o planeta Mercúrio! Como Calisto, Ganímedes provavelmente tem um núcleo rochoso com o manto de rocha e gelo com a crosta em geral de água congelada. Está a cerca de 1.070.000km de Júpiter, sua massa é de 1,4819×1023kg e sua extensão é de 7,6×1013km³.
Calisto (fig.4) está a cerca de 1.883.000km de Júpiter. Sua massa é de 1.0759 X 1023kg e seu volume de 5.865 X 1010km3. É uma lua infestada de crateras. Há estudos que relata a possibilidade de vida microscópica em seus oceanos, o que sustenta o contrário é a ausência de matérias rochosas e a falta de calor. Calisto também é objetivo da NASA para explorações exteriores.

Saturno:

               
    Saturno é o 2° maior planeta do sistema solar e terrivelmente pouco denso, uma afirmação muito conhecida que demonstra isso é que se houvesse um oceano grande o suficiente para ele, Saturno flutuaria na água!
    Seu nome vem do deus romano da agricultura.
    Sua massa é de 5,688×1026kg e seu volume é de 7,46×1014km³. Saturno está a cerca de 1.426.725.400km do sol. Um ano lá é a mesma coisa do que quase 30 anos aqui, já o seu dia é de 10h30m.
    A coisa mais famosa de Saturno são seus anéis, que são formados por bilhões de fragmentos de gelos e meteoros que variam de pequenas partículas até grandes pedaços do tamanho de uma casa. Muitos telescópios vêem como se fosse 2 anéis, mas na verdade são 7 anéis que orbitam Saturno. Como Júpiter, Saturno também é um enorme planeta gasoso, mas nem se compara (em qualquer coisa) com ele. É composto principalmente por Hidrogênio e muito pouco hélio, e outros elementos. Saturno possui 60 satélites, sendo a maioria deles luas com o formato irregular.

Principais satélites:
Dos 60 satélites conhecidos de Saturno, vamos ver apenas 7 deles. Os 7 principais:
Mimas (fig.1) é uma lua cheia de crateras que fica a 185.520km de Saturno. Sua massa é de 3,7493 ± 0,0031×1019 kg e sua extensão de 32.900.000km³. Foi descoberta em 1789 por William Herschel.
Encélado (fig.2) é um satélite oceânico e com vários gêiseres. Diferente de algumas luas de Júpiter, em vez do oceano está abaixo de quilômetros da crosta, ele está exposto plenamente na superfície, e com água salgada. Sua massa é de 1,08×1020 kg. Está a cerca de 238.020km de Saturno. Também foi descoberto em 1789 por W. Herschel.
Tètis (fig.3) tem quase toda a superfície composta por água gelada. É uma lua famosa por suas “cicatrizes”. Está a cerca de 294.660km de Saturno, e sua massa é de 6,18×1020kg. A lua foi descoberta por Giovanni Domenico Cassini, em 1684.
Dione (fig.4) é uma das maiores luas de saturno. Sua massa é de 1,096×1021 kg. Está a cerca de 377.400km do gigante gasoso. O planeta é caracterizado por gigantes penhascos de gelos e crateras. Foi descoberta também em 1684 por G. Domenico Cassini. 
Réia (fig.5) é a 2° maior lua de Saturno. Suspeita-se de que Reia seja a primeira lua descoberta com um sistema de anéis. Sua massa é de 2,306518×1021kg e está a cerca de 527.040km de Saturno. Foi descoberta também em 1672 também por G. D. Cassini.
O famoso "H" de Titã.
Desconfia-se de que seja uma alta área
de gelo de água. Como se fosse uma ilha
em um terreno raso de matéria escura.
Titã (fig.6, ao lado)  é a maior lua de Saturno e a segunda maior de todo o sistema solar, maior até do que o planeta Mercúrio. Sua massa é de 1,345×1023kg, e está a cerca de 1.221.830km de Saturno. Titã se destaca muito no desafio para a busca de vidas extraterrestres no nosso sistema, assim como Marte e Europa. Em Titã há neblinas, vulcões gelados, lagos de metano, e, recentemente foi confirmado à existência de um oceano, que não é composto por água, mas sim por metano líquido. A lua foi descoberta por Christiaan Huygens em 1655.
Jápeto (fig.7) é a 3° maior lua de Saturno. Tem uma massa de 1.805.635 ± 0,000.375×1021kg e está a cerca de 3.564.300km do planeta. Não há estudos o suficiente para explicar sua mancha preta, isso é incontestável. Jápeto é um dos corpos mais brilhantes do sistema solar. Foi descoberto em 1671 por G. D. Cassini.

Urano:
    Urano é o 7° planeta a partir do sol. Seu nome vem do deus grego, que personificava o céu. Urano foi o primeiro planeta descoberto por telescópio. Imaginava que Urano fosse uma estrela ou um cometa, até que em 1781, William Herschel confirma a existência de um planeta. A imagem acima tirada pelo telescópio Hubble, mostra Urano, suas luas e seu fino anel de poeira, que descarta a então idéia de que só em Saturno havia anéis. Sua massa é de 8,6810 × 1025 kg e sua extensão de 6,833 × 1013 km³. Está a cerca de 2.870.972.200km do sol.     
    Acredita-se que seu núcleo é rochoso cercado por um oceano coberto por espessas nuvens de gás. Sua atmosfera é composta principalmente por Hidrogênio, Hélio, Metano e outros gases. 1 ano em Urano consiste em um pouco mais de 84 anos terrestres, e seu dia cerca de 11h terrestre. A inclinação de seu eixo é complexa. Urano tem 27 satélites.

Principais satélites naturais de Urano:

    Já que é 27 o número de satélites conhecidos em Urano, vamos ver apenas 5 deles. A maioria deles recebeu o nome de personagens das peças de Shakespeare.  
    Nenhuma das luas contém atmosferas.

(clique para ampliar)
Miranda (fig.1) é a menor lua de Urano. É cheia de crateras, grandes penhascos e etc... Está a cerca de 129.780km do planeta. Sua massa é de 6,59 ± 0,75 × 10×1019kg e sua extensão de 54.835.000 km3. Foi descoberta em 1948 por Gerald Kuiper.
Ariel (fig.2) é considerada a mais brilhante lua de Urano. Na lua há vários vales e crateras. Sua massa é de 1,353 ± 0,120×1021 kg. Está a cerca de 191,240km do planeta. Foi descoberta por William Lassell em 1851.
Umbriel (fig.3) é a lua mais escura de Urano. Foi descoberta junto com Ariel em 1851 por William Lassell. Sua massa é de 1.27e+21 e está a cerca de 265,970km do planeta mãe.
Titânia (fig.4), é a maior lua de Urano com um volume de 2.065.000.000km³, e uma massa de 3,527 ± 0,09 × 10×1021kg. Está a cerca de 435.840km de seu planeta. É famosa por possuir um gigante canyon, bem maior do que o da terra. Foi descoberta em 1787 por William Herschel.
Oberon (fig.5), é a mais afastada das 5 principais luas, cerca de  582.600km de Urano. Foi descoberta também por William Herschel em 1787. Sua massa é de 3,01×1021kg e seu volume de 1.849.000.000 km³.


Neptuno
    Tecnicamente falando, Netuno é 8°e último planeta do sistema solar. É muito semelhante á Urano, e foi descoberto graças ao seu “irmão gêmeo”, que teria uma órbita com uma velocidade não exata, e isso poderia ser nada mais e nada menos do que uma “pedra no caminho”, que teria sido os “impactos” das forças magnéticas de Netuno. Enfim, foi descoberto em 1846 por Johann Gotfried Galle. Seu nome vem do deus grego do mar. Está a cerca de 4.498.252.900km do sol. Sua massa é de 1,024×1026 kg. Sua composição não é diferente da a de Urano: Núcleo rochoso, manto congelado e “oceânico”, atmosfera de Hidrogênio, Hélio, Metano.... 1 ano em Netuno equivale a cerca de 165 anos terrestres, e 1 dia varia de 18h á 20h terrestres. Netuno possui uma forte irradiação de energia, e a idéia disso é que Netuno possa ter “engolido” um planeta próximo e “roubado” sua lua; Tritão.                                                             ....Foram descobertos anéis no planeta ainda no final do séc. XX. Netuno possui 13 satélites.




Principais luas: Larissa, Proteu e Tritão.
    Até então se conhece 13 satélites naturais em Netuno. A maioria tem a massa desconhecida e são de formas irregulares. Vamos ver apenas 3 das luas do planeta azul.  

Larissa (fig.1) é uma pequena lua com o formato irregular descoberta por Stephen Synnott em 1989. Não se sabe ao certo sua massa. Está a cerca de 73.600km de Netuno.
Proteu (fig.2) é a maior lua do sistema solar com o formato irregular. Foi descoberto em 1989, por Stephen Synnott. Sua massa é de 5,0 × 1019kg e seu volume de 3,4 ± 0,4 × 107km³. Está a cerca de 117.600km de Netuno.
Tritão (fig.3) é a maior lua de Netuno. Foi descoberto 17 dias após o descobrimento do seu planeta mãe, por William Lassell, em 1846. Tritão tem uma fina atmosfera, poucas crateras, e vulcões gelados. A lua apresenta, geologicamente falando, características similares á supostos corpos do sistema solar capaz de abrigar vida, mais semelhantemente á Europa, lua de Júpiter. Tem uma massa de 2,147×1022kg e uma extensão de 10.384.000.000km³. Está a cerca de 354.800km de Netuno. Sua órbita é retrógada, ou seja, orbita para o lado oposto de Netuno.
(esq.) Concepção artística do "nascer de Netuno" em Tritão.
(dir.) Foto da Voyager 2 de Netuno e Tritão

Cinturão de Kuiper:


       
    Em 1951, Gerard Peter Kuiper deu a idéia de que, depois da formação do sistema solar, grande parte dos resíduos “inúteis” foi “varrida” para uma longa distância do próprio sistema solar. Bom, isso apenas era hipótese, até que em 1992 foi descoberto 1992 QB1, um corpo na região que transformou a teoria em fato. Desde então descobriram milhares de corpos no Cinturão de Kuiper, inclusive o planeta anão Plutão. O “gentílico” dos corpos do Cinturão de Kuiper é KBO. Dá pra você ter uma noção da cintura de Kuiper na imagem acima, o ponto branco é Plutão.
    Sua extensão é de 30 UA (unidade astronômica) até 55 UA do sol (Sendo que 1 UA equivale á distância que o planeta terra tem para o sol, ou seja; 149.598.000km. Então literalmente falando, o centro da Cintura de Kuiper está cerca de 5.983.920.000km do sol).
    O que diferencia a cintura de asteróides do cinturão de Kuiper, é que a de asteróides são “restos” de colisões entre corpos maiores, e a de Kuiper são “restos” de resíduos não utilizados na formação do sistema solar.

Principais corpos:
    Vamos ver os principais corpos do cinturão de Kuiper. 

Plutão (esq.) e Caronte (dir.)
Plutão é um planeta anão que se localiza cerca de 5.913.520.000km do sol. Foi descoberto em 1930 por Clyde W. Tombaugh. Sua massa é de (1,305 ± 0,007) × 1022 kg e seu volume de 6,39 × 109 km³. A órbita de Plutão é uma circunferência totalmente achatada, isso faz com que este fique por 20 anos mais perto do sol do que Netuno, e o resto de sua órbita mais longe. Plutão era considerado um planeta, até que o descobrimento de Éris (um planeta anão com a massa maior do que a de Plutão) fez com que a UAI refletisse e classificasse regras para um planeta, Plutão por então, não apresentava tais concordâncias com uma das regras, e isso fez com que Plutão fosse considerado um planeta anão, em 2006. Plutão tem 3 satélites naturais: Nix, que foi descoberta em 2005 pela equipe de busca de plutão. Tem a massa de 1×1018kg. Hidra, que também foi descoberto em 2005 pela equipe de busca de Plutão. Sua massa é de 0,391 ×1018. E, por fim, a lua principal de Plutão; Caronte, que foi descoberto por J. Christy em 1978. Sua massa é de 1 520 ×1018, e está a cerca de 19.640km do planeta.                                
                                                

Ilustração de Vanth (esq.)
e Orco (dir.)





Orco é mais um KBO. Foi descoberto em 2004 por M. Brown, C. Trujillo e D. Rabinowitz. É um candidato a planeta anão. Sua massa é de 6,32 ± 0,05 × 1020kg. Sua distância varia muito de acordo com seu periélio e afélio. Cerca de 4.616.743.878km a 7.191.325.458km. Orco possui 1 satélite: Vanth, que foi descoberto em 2005 por Mike Brown e T.-A. Suer.








Ilustração de Quaoar (dir.)
e Weywot (esq.)
Quaoar também é mais um candidato a planeta anão. Foi descoberto em 2002 por Chad Trujillo e Michael Brown. Sua massa é de 1.6 ± 0.3 × 1021kg. Está a cerca de 6.000.000.000km do sol. Há apenas 1 satélite conhecido em Quaoar: Weywot, que foi descoberto em 2007, também por Michael E. Brown.







Haumea (centro), Namaka (esq.)
e Hi'iaka (dir.)


Haumea também é outro planeta anão. Está á 43,3UA do sol, cerca de 6.477.593.400km.  Foi descoberto em 2004 pelos astrofísicos José Luis Ortiz, Francisco Aceituno e Pablo Santos Sanz, mas foi só em 2008 que foi considerado um planeta anão. Sua massa é de (4,2±0,1)×1021kg.                       Haumea têm dois satélites: Namaka, que tem a massa de 1.79 ± 1.48 × 1018kg, e Hi’iaka, que tem a massa 1.79 ± 0.11 × 1019 kg. Ambos foram descobertos em 2005 por Michael E. Brown, Chad Trujillo, David Rabinowitz.    



Concepção artística de Makemake.








Makemake é uns dos maiores planetas anões KBOs. Sua massa é de ~4×1021kg, e sua extensão de ~1,8×109km³. Foi descoberto em 2005 pela equipe de Michael Brown. Está á 52UA do sol (cerca de 7.779.096.000km). Ainda não foi descoberto satélite em Makemake.
                                          







O Disco Disperso:
    Na sua esquerda você ver um “embololô” de pontinhos: é o cinturão de Kuiper. Logo após se estende o disco disperso, em uma área de 30/35UA do sol (que chega a penetrar a cintura de Kuiper) á uma distância de 100UA!  Enfim, é um disco de espalhamento da cintura de Kuiper.

O maior planeta anão do sistema solar:
jl
Concepção artística
 de Éris e sua lua Disnomia.
    Éris é o maior planeta anão do sistema solar. Sua massa é de (1.67±0.02) × 1022 kg. Foi descoberto em 2005 por M. E. Brown, C. A. Trujillo e D. L. Rabinowitz. Sua órbita varia entra 35UA á 97UA do sol. Pensava-se que Éris seria o 10° planeta, por ser maior do que plutão, mas essa idéia foi derrubada depois da colocação sua e de plutão como planeta anão. Éris tem apenas 1 satélite: Disnomia, que foi descoberta em 2005. Sua massa é de ≈ 1,0  1019kg.
                                             









Nuvem de Oort e os cometas:
     
     Não se sabe muita coisa sobre a cintura de Kuiper e o disco disperso. A vertente de tudo mostrado é de teorias. O mesmo digo sobre a Nuvem de Oort, uma nuvem de bilhões de cometas que se acredita cobrirem por inteiro o extremo do sistema solar, cerca de 50.000UA!
    Os cometas podem se dividir em duas principais classes: A elíptica; que são órbitas de curtos períodos, inferior a 10UA, e os isotrópico; que são de longos períodos e uma ordem de órbita de milhares de UA, e aparecem aleatoriamente no céu.
    As primeiras anotações foram em 1932, pelo astrônomo Ernst Öpik, que deu a hipótese de que os cometas não poderiam ter sido formados em uma simples órbitas, e que deveria haver “uma distribuidora” para esses cometas, estando nos confins do sistema solar. O nome da “nuvem” vem do astrofísico Jan Hendrik Oort, que aprofundou a verificação dessa hipótese.
    Já que a nuvem de Oort está tão longe do sol, ela é pouco dominada pelas forças gravitacionais solar, e as órbitas de seus corpos sofrem perturbações devido às ondas gravitacionais de outras estrelas e da própria Via Láctea.
    E que fique bem claro que a Nuvem de Oort é apenas uma hipótese.

Possíveis membros:
    A nuvem de Oort tem sua parte interna, que chega cobrir o disco disperso. Há alguns corpos detectados que possivelmente fazem parte dessa região: 90377 Sedna, 2000 CR105, 2006 SQ372 e 2008 KV42.:

    Sedna é o principal desses corpos, sendo um planetóide. Foi detectada em 2003 pela incansável equipe de Michael E. Brown, C. Trujillo, e D. Rabinowitz, mas foi anunciada somente em 2004 pelos astrônomos do Instituto de Tecnologia da Califórnia. Sua massa é de 8,3 × 1.020–7,0 ×1021kg. Sua distância média do sol varia de 76,3UA a 960UA. Sua órbita é incomum elíptica, e Michael Brown disse que teria de haver algum corpo mais maciço e “invisível” para sustentar sua órbita.
                       

    Nêmesis é uma suposta estrela anã marrom que faria do sistema solar um sistema binário. Nêmesis pode ter sido a responsável pela extinção KT; a extinção em massa dos dinossauros. Tendo uma órbita de 27milhões de anos, Nêmesis poderia lançar milhares de cometas da nuvem de Oort para a região da Terra, tendo grandes chances de impactos. A estrela também seria a “fornecedora” de “combustível” para a órbita estável de Sedna. Nêmesis também não passa de uma teoria.


Nenhum comentário:

Postar um comentário